Posts Recentes:

Moto G14 de 128GB com desconto histórico na Amazon

Um dos celulares mais vendidos da Amazon, o...

Spyware governamental é outro motivo para usar um bloqueador de anúncios

Os bloqueadores de anúncios podem parecer uma defesa...

Meta (novamente) nega que a Netflix tenha lido mensagens privadas dos usuários no Facebook


A Meta nega ter dado à Netflix acesso às mensagens privadas dos usuários. A reivindicação começou recentemente circulando em X depois que o proprietário do X, Elon Musk, amplificou múltiplo Postagens sobre o assunto respondendo “Uau” e “Sim.” A reclamação faz referência a um processo judicial que surgiu como parte do processo de descoberta em uma ação coletiva sobre práticas de privacidade de dados entre um grupo de consumidores e a controladora do Facebook, Meta.

O documento alega que a Netflix e o Facebook tinham uma “relação especial” e que o Facebook até cortou gastos com programação original do seu serviço de vídeo Facebook Watch para não competir com a Netflix, um grande anunciante do Facebook. Ele também diz que a Netflix teve acesso à “API Inbox” do Meta, que ofereceu ao streamer “acesso programático às caixas de entrada de mensagens privadas dos usuários do Facebook”.

Esta é a parte da afirmação à qual Musk respondeu em postagens no X, levando a um coro de respostas iradas sobre como os dados dos usuários do Facebook estavam à venda, por assim dizer.

A Meta, por sua vez, nega a veracidade das afirmações do documento.

O diretor de comunicações da Meta, Andy Stone, republicei a postagem original do X na terça-feira com um comunicado contestando que a Netflix tivesse acesso às mensagens privadas dos usuários.

“Chocantemente falso”, escreveu Stone no X. “Meta não compartilhava mensagens privadas das pessoas com a Netflix. O acordo permitiu que as pessoas enviassem mensagens a seus amigos no Facebook sobre o que estavam assistindo na Netflix, diretamente do aplicativo Netflix. Tais acordos são comuns na indústria.”

Em outras palavras, a Meta afirma que a Netflix tinha acesso programático às caixas de entrada dos usuários, mas não usava esse acesso para ler mensagens privadas.

Além da postagem X de Stone, Meta não forneceu mais comentários.

No entanto, o The New York Times já havia relatado em 2018 que a Netflix e o Spotify podiam ler as mensagens privadas dos usuários, de acordo com documentos que obteve. A Meta negou essas alegações na época por meio de uma postagem no blog intitulada “Fatos sobre as parcerias de mensagens do Facebook”, onde explicava que a Netflix e o Spotify tinham acesso a APIs que permitiam aos consumidores enviar mensagens aos amigos sobre o que estavam ouvindo no Spotify ou assistindo no Netflix diretamente do os respectivos aplicativos dessas empresas. Isso exigia que as empresas tivessem “acesso de gravação” para redigir mensagens para amigos, “acesso de leitura” para permitir que os usuários lessem mensagens de amigos e “acesso de exclusão”, o que significava que se você excluísse uma mensagem do aplicativo de terceiros, isso também excluiria a mensagem do Facebook.

“Nenhum terceiro estava lendo suas mensagens privadas ou escrevendo mensagens para seus amigos sem sua permissão. Muitas notícias sugerem que enviamos mensagens privadas a parceiros, o que não é correto”, afirmou a postagem do blog.

De qualquer forma, o Messenger não implementou a criptografia ponta a ponta padrão até dezembro de 2023, uma prática que teria tornado esse tipo de afirmação um fracasso, pois não teria deixado margem para dúvidas. A falta de comunicações criptografadas combinada com acesso de leitura/gravação às caixas de entrada de mensagens significa que não há garantia de que as mensagens foram protegidas, mesmo que esse não fosse o foco do acordo comercial.

Embora Stone esteja minimizando a capacidade da Netflix de espionar mensagens privadas, é importante notar que o streamer recebeu um nível de acesso que outras empresas não tinham.

O documento afirma que a Netflix teve acesso à “API Titan” do Facebook, uma API privada que permitiu a integração com o aplicativo de mensagens do Facebook. Em troca do acesso à API Inbox, a Netflix também concordou em fornecer à empresa de rede social um “relatório escrito a cada duas semanas” com informações sobre os envios de recomendações e cliques dos destinatários e concordou em manter o contrato da API confidencial.

Em 2015, a Netflix estava gastando US$ 40 milhões em anúncios no Facebook, diz o documento, e estava permitindo que os dados dos usuários da Netflix fossem usados ​​para direcionamento e otimização de anúncios no Facebook. Em 2017, a Netflix concordou em gastar US$ 150 milhões em anúncios no Facebook e fornecer à empresa “sinais de intenção entre dispositivos”.

A Netflix e o Facebook mantiveram um relacionamento próximo, com o então CEO da Netflix, Reed Hastings (e membro do conselho do Facebook até abril de 2019), tendo comunicações diretas com executivos do Facebook (Meta), incluindo o CEO Mark Zuckerberg, COO Sheryl Sandberg, vice-presidente de comunicações Elliot Schrage e CTO Andrew Bosworth. .

Para manter o negócio de publicidade da Netflix, o próprio Zuckerberg enviou um e-mail ao chefe do Facebook Watch, Fidji Simo, em maio de 2018, para lhe dizer que o orçamento do Watch para originais e desporto estava a ser reduzido em 750 milhões de dólares à medida que a rede social deixava de competir diretamente com a Netflix. O Facebook vem construindo o negócio Watch há dois anos e só introduziu a guia Watch nos EUA em agosto de 2017.

Em outra parte do processo, Meta detalha como espionou o tráfego do Snapchat em segredo, entre outras coisas.



Últimas

Moto G14 de 128GB com desconto histórico na Amazon

Um dos celulares mais vendidos da Amazon, o...

Spyware governamental é outro motivo para usar um bloqueador de anúncios

Os bloqueadores de anúncios podem parecer uma defesa...

Meta está testando uma barra de pesquisa com tecnologia de IA no Instagram

A Meta está avançando em seus esforços para...

Assine

spot_img

Veja Também

Moto G14 de 128GB com desconto histórico na Amazon

Um dos celulares mais vendidos da Amazon, o...

Spyware governamental é outro motivo para usar um bloqueador de anúncios

Os bloqueadores de anúncios podem parecer uma defesa...

Meta está testando uma barra de pesquisa com tecnologia de IA no Instagram

A Meta está avançando em seus esforços para...

Simbian traz IA para ferramentas de segurança existentes

Ambuj Kumar não é nada senão ambicioso. Engenheiro elétrico...
spot_img

Moto G14 de 128GB com desconto histórico na Amazon

Um dos celulares mais vendidos da Amazon, o Moto G14 de 128GB, está hoje com um desconto histórico na Amazon, saindo por apenas...

Spyware governamental é outro motivo para usar um bloqueador de anúncios

Os bloqueadores de anúncios podem parecer uma defesa improvável na luta contra o spyware, mas novos relatórios lançam uma nova luz sobre como...