Posts Recentes:

Ai Pin lançado com integração do Google Fotos

A Humane está lançando o Ai Pin, um...

Google Chrome muda a forma de acessar Favoritos, Lista de Leitura e Histórico

Surfando na onda da personalização, o Google Chrome...

IA da Samsung chegará ao Galaxy S21 e outros modelos em breve

Depois de lançar seus novos recursos de inteligência...

Apple descarta comparações de monopólio da Microsoft


Uma semana depois encontrando-se no final de um processo histórico do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Apple nega veementemente qualquer paralelo entre ela e a Microsoft na década de 1990. É uma comparação na qual o procurador-geral dos EUA, Merrick Garland, se apoiou fortemente no pedido da semana passada.

Embora partes do caso Estados Unidos v. Microsoft Corp. tenham sido parcialmente anuladas, a fabricante do Windows foi finalmente obrigada a modificar certas práticas comerciais consideradas monopolistas pelo governo. Garland e os 16 procuradores-gerais estaduais que participaram do processo contra a Apple estão sem dúvida buscando um resultado semelhante para restringir práticas que acredita representarem uma vantagem injusta para a empresa de US$ 2,65 trilhões.

“Em 1998, o cofundador da Apple, Steve Jobs, criticou o monopólio da Microsoft e as 'táticas sujas' em sistemas operacionais para atingir a Apple, o que levou a empresa a 'ir ao Departamento de Justiça' na esperança de fazer com que a Microsoft 'jogasse limpo'”. observa o processo, implicando fortemente em hipocrisia por parte da Apple. “Mas mesmo naquela época, a Apple não enfrentava os mesmos tipos de restrições que impõe hoje a terceiros; Os usuários da Apple podiam usar seu iPod com um computador Windows, e a Microsoft não cobrava da Apple uma taxa de 30% para cada música baixada da loja iTunes da Apple. Da mesma forma, quando a Apple lançou o iPhone no mercado em 2007, beneficiou da concorrência entre fabricantes de componentes e operadoras de telefonia móvel.”

Por sua vez, a Apple cita números globais do iPhone que não chegam nem perto dos 90% da participação de mercado que o Windows desfrutava antes da virada do milênio. Ações judiciais como essa são uma rara oportunidade de ver uma grande empresa se gabando de como alguns dispositivos que venderam em relação ao mercado mais amplo. Na verdade, com números a rondar os 20% a nível global, é difícil defender que a empresa esteja a dominar a concorrência da mesma forma que a Microsoft fazia há um quarto de século.

É verdade que o iPhone tem um desempenho especialmente bom no mercado doméstico, onde enfrenta menos concorrência direta de muitos dos aparelhos de baixo custo que dominam a Índia e a China (os mercados número um e segundo, respectivamente). A Apple sugere, no entanto, que a afirmação do DOJ de que a sua “quota de todo o mercado de smartphones dos EUA excede 65%” é enganosa, uma vez que se refere à receita e não às unidades vendidas. Destes últimos, a empresa acredita dominar menos da metade do seu mercado doméstico.

A distinção entre esses números se resume ao preço por unidade. É aqui que o DOJ sugere que a Apple comanda 70% do mercado de smartphones de “desempenho”. Certamente, é verdade que os dispositivos da Apple se enquadram em grande parte na categoria premium, da qual a empresa controla uma grande parte aqui nos estados. O DOJ provavelmente terá dificuldade em provar que isso – por si só – constitui um monopólio.

É por isso que grande parte da reclamação de 88 páginas se concentra em aspectos como o rígido controle da App Store da Apple, a incapacidade do Watch de interagir com dispositivos Android e – é claro – as temidas bolhas verdes. Como um todo, os procuradores-gerais coautores do processo sugerem que esta evidência prova que a empresa está usando sua posição de mercado para coagir terceiros e geralmente dificultar a vida dos desenvolvedores Android.

Entre os aspectos mais interessantes do processo está a alegação de que tais ações levaram ao fim das tentativas da Amazon, HTC, LG e da própria Microsoft de competir no espaço.

“Muitas empresas proeminentes e bem financiadas tentaram e não conseguiram entrar com sucesso nos mercados relevantes devido a estas barreiras à entrada”, observa o processo. “Os fracassos passados ​​incluem a Amazon (que lançou o seu telemóvel Fire em 2014, mas não conseguiu sustentar o seu negócio de forma lucrativa e saiu no ano seguinte); Microsoft (que descontinuou o seu negócio móvel em 2017); HTC (que saiu do mercado vendendo seu negócio de smartphones para o Google em setembro de 2017); e LG (que saiu do mercado de smartphones em 2021). Hoje, apenas a Samsung e o Google permanecem como concorrentes significativos no mercado de smartphones de desempenho dos EUA. As barreiras são tão altas que o Google está em um distante terceiro lugar, atrás da Apple e da Samsung, apesar do fato de o Google controlar o desenvolvimento do sistema operacional Android.”

A Apple está efetivamente rindo da sugestão de que tais falhas de mercado foram culpa de qualquer pessoa, menos das empresas por trás delas. Os concorrentes consultados pelo DOJ durante a elaboração do caso provavelmente têm opiniões divergentes sobre o papel direto que o fabricante do iPhone desempenhou em sua incapacidade de capturar uma participação de mercado significativa (e cada um dos casos acima é dramaticamente diferente um do outro), mas em no caso do Fire Phone, pelo menos, a Amazon deveria apontar o dedo diretamente para si mesma.

Quanto ao motivo pelo qual empresas como a Huawei não representam um desafio para a Apple em seu território, o governo dos EUA deveria dar uma boa olhada no espelho.

O exemplo de smartwatch é interessante. Até mesmo a equipe jurídica altamente paga de Cupertino teria dificuldade para defender que os proprietários do Apple Watch não são prejudicados pela exclusividade do iOS. Por sua vez, porém, a empresa sugere que as limitações técnicas são a razão para isso. A Apple diz que passou três anos tentando criar compatibilidade WatchOS/Android, apenas para desistir, citando questões de segurança e privacidade.

Da mesma forma, embora a Apple aponte para o recente anúncio de que apoiará Mensagens RCS no iPhone, a empresa insiste que a presença contínua de bolhas verdes estigmatizadas é necessária para diferenciar a criptografia e a compatibilidade com determinados recursos do Mensagens.

A denúncia cita e-mails internos de executivos da Apple sugerindo que a remoção das bolhas verdes seria ruim para os negócios.

Em última análise, a Apple acredita que o processo visa efetivamente transformar iOS em Android. A empresa aponta para o caso da Suprema Corte de 2008, Pacific Bell Co. v. LinkLine Communications. O tribunal decidiu por unanimidade a favor da Pac Bell, afirmando que a empresa de telecomunicações não violou as regras antitruste e é capaz de determinar as empresas com as quais escolhe trabalhar.

Quando chegar a hora de a Apple apresentar seus argumentos, a empresa provavelmente argumentará que não é função da Apple apoiar os concorrentes.

“Se tiver sucesso, [the lawsuit] prejudicaria nossa capacidade de criar o tipo de tecnologia que as pessoas esperam da Apple – onde hardware, software e serviços se cruzam”, observou em comunicado divulgado logo após o pedido da semana passada. “Também estabeleceria um precedente perigoso, capacitando o governo a exercer uma influência pesada na concepção da tecnologia das pessoas. Acreditamos que este processo está errado nos fatos e na lei, e nos defenderemos vigorosamente contra ele.”

Para saber mais sobre o processo antitruste da Apple, confira aqui:

Leia mais sobre o processo antitruste do DOJ contra a Apple no TechCrunch

Últimas

Ai Pin lançado com integração do Google Fotos

A Humane está lançando o Ai Pin, um...

Google Chrome muda a forma de acessar Favoritos, Lista de Leitura e Histórico

Surfando na onda da personalização, o Google Chrome...

IA da Samsung chegará ao Galaxy S21 e outros modelos em breve

Depois de lançar seus novos recursos de inteligência...

Gmail prepara ‘Assinaturas’ para dar fim à bagunça na caixa de entrada

Cansado de ter a caixa de entrada do...

Assine

spot_img

Veja Também

Ai Pin lançado com integração do Google Fotos

A Humane está lançando o Ai Pin, um...

Google Chrome muda a forma de acessar Favoritos, Lista de Leitura e Histórico

Surfando na onda da personalização, o Google Chrome...

IA da Samsung chegará ao Galaxy S21 e outros modelos em breve

Depois de lançar seus novos recursos de inteligência...

Gmail prepara ‘Assinaturas’ para dar fim à bagunça na caixa de entrada

Cansado de ter a caixa de entrada do...

Atualização da Busca não afeta os sistemas de indexação

Em meio a tantas dúvidas e questionamentos sobre...
spot_img

Ai Pin lançado com integração do Google Fotos

A Humane está lançando o Ai Pin, um dispositivo vestível que promete ser o seu assistente pessoal discreto e cheio de recursos incríveis....

Google Chrome muda a forma de acessar Favoritos, Lista de Leitura e Histórico

Surfando na onda da personalização, o Google Chrome está mudando a forma como acessamos funções como Favoritos, Lista de Leitura e Histórico....

IA da Samsung chegará ao Galaxy S21 e outros modelos em breve

Depois de lançar seus novos recursos de inteligência artificial, o Galaxy AI, a Samsung finalmente atendeu aos pedidos dos fãs e confirmou que...