Posts Recentes:

X está lançando um aplicativo de TV para vídeos ‘em breve’

X, empresa anteriormente conhecida como Twitter, está lançando...

Google E-E-A-T: o que é isso?

No mundo digital, a confiança é fundamental. É...

A parceria de US$ 80 milhões da Techstars com o JP Morgan está em ruínas, dizem os funcionários


Durante um zoom Em reunião com seus líderes seniores no verão passado, a CEO da Techstars, Maëlle Gavet, sentou-se à mesa, com um caderno aberto à sua frente, um laptop ao lado e os braços cruzados. Um participante acabara de perguntar a ela sobre o progresso do Advancing Cities Fund, de US$ 80 milhões da organização, que foi arrecadado por meio da plataforma de banco privado do JP Morgan.

Com o comportamento calmo de quem tenta controlar suas palavras, ela respondeu que o Advancing Cities não estava indo bem. Vários incidentes em vários programas fizeram o JP Morgan surtar, de acordo com fontes familiarizadas com a conversa, incluindo evidências vistas pelo TechCrunch.

A Techstars começou a montar coortes e implantação fora do fundo desde 2022 com o objetivo de apoiar mais de 400 empresas fundadas por fundadores sub-representados. Isso levou à criação de programas Techstars em pelo menos oito cidades, incluindo Oakland, Atlanta e Miami.

Mas em agosto de 2023, quando esta reunião ocorreu, a equipe do JP Morgan havia se tornado “desligada”, uma caracterização que sete pessoas associadas ao programa fizeram ao TechCrunch de forma independente. Gavet admitiu na reunião que o relacionamento rompido não foi inteiramente culpa do banco: os erros da Techstars causaram grande parte da tensão.

A Techstars investiu atualmente cerca de dois terços do fundo, Gavet disse recentemente ao TechCrunchacrescentando que o banco é “um parceiro incrível” e “muito ativo em nosso programa”.

No entanto, o JP Morgan ainda não informou à Techstars se renovará a parceria para um Fundo Advancing Cities 2 assim que o contrato inicial expirar em dezembro, dizem as fontes. Essa decisão deveria ter sido tomada no verão passado para que a Techstars pudesse começar a arrecadar fundos e a mobilizar capital em 2025.

Isso significa que o destino dos programas Advancing Cities – e de algumas das cerca de 20 pessoas que trabalham na Techstars neste programa – está no ar.

Tanto o JP Morgan quanto a Techstars se recusaram a comentar sobre o futuro da parceria. Mas o porta-voz da Techstars, Matthew Grossman, enfatizou que o fundo atual ainda está ativo e investiu em 263 empresas com planos de apoiar outras 200. “Este ano, continuaremos a implantar o fundo até que ele seja implantado. E então, como qualquer outro fundo de risco, depois que esse fundo for implantado, veremos o que acontece a seguir”, disse ele ao TechCrunch.

Uma “longa série de incidentes”

A Techstars está passando por uma reestruturação operacional, incluindo cortes de programas em todo o mundo, demissão de funcionários e fechamento de aceleradoras em cidades como Oslo, Austin, e sua antiga nave-mãe, Boulder, Colorado. Ele perdeu as projeções de receita para 2023 e registrou perdas de US$ 7 milhões, de acordo com números preliminares visto pelo TechCrunch.

Ao mesmo tempo, a Techstars é conhecida por apoiar os fundadores das cores e dando-lhes oportunidades de outra forma seria difícil de conseguir. O financiamento para fundadores negros é tão cronicamente sombrio que o acesso ao capital pode mudar vidas.

Do lado de fora, a incerteza do futuro deste programa pode parecer que o JP Morgan está simplesmente a recuar nas suas promessas de diversidade, seguindo o caminho da muitas instituições corporativas que retrocedeu compromissos assumidos após o assassinato de George Floyd. No entanto, vários funcionários atuais e antigos da Techstars dizem que a Techstars tem lutado para corresponder às expectativas robustas que o JP Morgan tinha quando se associou à empresa para este fundo.

DUBLIN, IRLANDA - 05 DE NOVEMBRO: Nesta imagem de apostila fornecida pela Sportsfile, Maelle Gavet, CEO da OZON, discute A Revolução Tecnológica Fora do Vale no centro do palco durante o Dia 2 do Web Summit 2014 no RDS, 5 de novembro de 2014 em Dublin, Irlanda.  (Foto de Stephen McCarthy / SPORTSFILE via Getty Images)

Gavet tornou-se CEO da Techstars em 2021. Créditos da imagem: Folheto / Folheto

Uma apresentação da Techstars em outra reunião que também ocorreu em agosto observou uma “longa série de incidentes” desde que a Techstars começou a implantar seu Advancing Cities Fund em 2022. Isso envolveu múltiplas reclamações sobre diretores em vários programas, bem como problemas com eventos, incluindo comportamento , programação, nomenclatura e patrocinadores. O banco ficou tão preocupado com um convite feito a um político em um DemoDay que retirou sua marca, disseram fontes.

O JP Morgan também sinalizou quatro casos de redação “inoportuna” em torno dos objetivos de diversidade da Techstars. Por exemplo, Gavet e um diretor-gerente queriam chamar o programa de Oakland de Techstars Silicon Valley, apesar da intenção do JP Morgan de enfatizar o foco e a presença do acelerador numa cidade negra proeminente. No final, o programa acelerador recebeu o nome de Oakland.

Pelo menos três fontes disseram que a Techstars recebeu reclamações de fundadores sobre um diretor administrativo de um programa Advancing Cities, algumas alegações descrevendo ambientes de trabalho hostis. O TechCrunch não conseguiu confirmar alegações específicas, embora tenhamos aprendido que esse diretor-gerente deixou o programa e agora dirige outro programa Advancing Cities. Techstars e JP Morgan não quiseram comentar os incidentes.

Definições conflitantes de diversidade

Um dos maiores problemas, de acordo com fontes e documentação vista pelo TechCrunch, era que o JP Morgan queria que pelo menos 50%, mas idealmente 70%, do investimento de cada grupo de cidades fosse em startups lideradas por fundadores sub-representados que correspondessem a uma definição específica de um fundador diversificado.

Os dados vistos pelo TechCrunch, no entanto, mostraram que a diversidade nos programas Advancing Cities começou a diminuir constantemente abaixo do limite no ano passado. A certa altura do ano passado, pelo menos um programa não atingiu o valor de referência de 50%, embora outros tenham compensado atingindo quase 70%.

Por US$ 80 milhões, disseram as fontes, o JP Morgan simplesmente esperava melhores resultados.

O JP Morgan apresentou à Techstars uma definição restrita de quem também considerava um fundador diversificado: alguém de ascendência negra, latina, indígena ou das ilhas do Pacífico. Internamente, no entanto, a Techstars utilizou uma definição muito mais ampla do termo, incorporando género, idade, veterano, deficiência e estatuto de imigrante. O resultado é que os diretores administrativos têm a opção de adicionar duas tags DEI diferentes para descrever uma empresa: JP Morgan diverso e/ou Techstars diverso, de acordo com documentos vistos pelo TechCrunch.

Cinco pessoas próximas ao assunto, algumas das quais não estão mais na empresa, disseram que sempre houve um foco no aumento da diversidade de gênero nos programas da Techstars, mas a questão racial ficaria no esquecimento. Alguns diretores-gerentes tiveram dificuldade em encontrar fundadores que seriam considerados diversos segundo os padrões do JP Morgan. As diferentes tags e a ampla definição de diversidade ajudaram a Techstars a gerar alguns números quando se trata de declarando publicamente a divisão da diversidade de seus programasdisseram três fontes com conhecimento do assunto.

A Techstars negou esta caracterização. “Medimos diferentes conjuntos de dados para diferentes propósitos”, disse Grossman ao TechCrunch. “Acreditamos em investir em fundadores sub-representados. E quando dizemos sub-representados, queremos dizer todos que não estão tradicionalmente sob o olhar do capital de risco tradicional.”

Boston, MA - 1º de setembro: Participantes no palco durante a abertura do Techstars Demo Day no Back Bay Events Center em Boston em 1º de setembro de 2015. (Foto de John Blanding/The Boston Globe via Getty Images)

A Techstars está passando por uma reestruturação operacional na tentativa de cortar custos. Créditos da imagem: John Blanding/The Boston Globe/Getty Images

Grossman enfatizou que, no final do ano passado, 63,5% dos CEOs do Advancing Cities aceitos no programa, que concordaram em autodeclarar sua raça, são negros, latinos, indígenas ou das ilhas do Pacífico. Ele acrescentou que todos os grupos, exceto um, atingiram a meta de 50%. Este relatório, tornado público no final do ano passado, cobriu apenas a primeira metade do investimento do fundo e a aceitação inicial da coorte. Não especificou o percentual de diversidade dos graduados.

Pagamento vinculado a devoluções

Outra fonte de atrito foi o facto de a JP Morgan querer que o foco do programa se centrasse numa elevada percentagem de fundadores diversificados, mas, como todas as empresas de investimento, a Techstars recompensa os administradores executivos principalmente com base nos retornos.

Isso significa que os diretores administrativos são treinados para procurar startups que eles acreditam que provavelmente se formarão no programa e obter financiamento subsequente de outros VCs. Isso proporcionou outra camada, fazendo com que alguns diretores administrativos priorizassem a aceitação do programa em outras métricas além da diversidade dos fundadores.

“Sempre dissemos que procuramos os melhores fundadores”, explicou Monica Wheat, diretora administrativa do programa Detroit Advancing Cities. “Sempre dissemos também que estamos fazendo isso, mas visando fundadores sub-representados. E fazemos isso especificamente através das respectivas redes de todos os MDs e respectiva experiência como investidores. Somos investidores antes de mais nada.”

A Techstars disse que a remuneração dos diretores administrativos inclui juros transportados, também conhecidos como uma porcentagem dos lucros do fundo, e um bônus em dinheiro. Para alinhar as recompensas com a missão do JP Morgan, uma percentagem do bónus para os diretores executivos nas Cidades Avançadas está ligada ao número de startups que se enquadram nos critérios de diversidade.

Além do atrito sobre as prioridades de aceitação, quatro fontes disseram que o JP Morgan também estava frustrado com o que considerou uma alta rotatividade de pessoal no conjunto de liderança. Desde o ano passado, o diretor de receitas, o diretor de tecnologia, o diretor financeiro, o diretor de investimentos em aceleradores, o diretor de formação de capital e o diretor jurídico da Techstars deixaram o C-suite. Isto se soma aos mais de 10 diretores administrativos que saíram por vários motivos e outras rotações de pessoal.

Naquela reunião de agosto com Gavet, depois que ela confessou a situação instável do programa, os participantes a encheram de perguntas, principalmente perguntando quem substituiria o JP Morgan se o banco decidisse encerrar a parceria. Gavet explicou que substituir o JP Morgan como parceiro de angariação de fundos seria difícil, se não impossível, porque é um dos poucos bancos com uma plataforma de angariação de fundos que permite a investidores qualificados apoiar startups em fase inicial. Levantar um fundo por conta própria seria difícil, dado o desafiador ambiente geral de arrecadação de fundos em 2024, de acordo com fontes e registros vistos pelo TechCrunch.

Ela acrescentou que o próprio fundo acelerador da Techstars também não poderia assumir toda a pegada do Advancing Cities e que isso era essencial para o sucesso do fundo.

Mas ainda neste mês, fontes disseram que a liderança alertou o pessoal em reuniões gerais que se o contrato com o JP Morgan não for renovado em dezembro, então as pessoas nesses programas deveriam estar prontas para ir para outros programas ou candidatar-se a outros programas. funções internas se estiverem dispostos a se mudar ou podem sair da empresa.

Não está claro quando são esperados os retornos do Advancing Cities, mas se seguir um ciclo de fundos tradicional, o JP Morgan poderá esperar pelo menos sete anos para ver os resultados do investimento de 80 milhões de dólares. Este dezembro, porém, chega bem antes disso.

Funcionários atuais e antigos da Techstars podem entrar em contato com Dominic-Madori Davis por e-mail em dominic.davis@techcrunch.com ou no Signal, um aplicativo seguro de mensagens criptografadas, pelo telefone +1 646.831.7565. Você também pode entrar em contato com Mary Ann Azevedo pelo e-mail maryann@techcrunch.com ou pelo Signal em +1 408.204.3036.

Últimas

X está lançando um aplicativo de TV para vídeos ‘em breve’

X, empresa anteriormente conhecida como Twitter, está lançando...

Google E-E-A-T: o que é isso?

No mundo digital, a confiança é fundamental. É...

Como adaptar seu marketing para a nova era da análise de dados

Não é exagero dizer que o cenário dos...

Assine

spot_img

Veja Também

X está lançando um aplicativo de TV para vídeos ‘em breve’

X, empresa anteriormente conhecida como Twitter, está lançando...

Google E-E-A-T: o que é isso?

No mundo digital, a confiança é fundamental. É...

Como adaptar seu marketing para a nova era da análise de dados

Não é exagero dizer que o cenário dos...
spot_img

X está lançando um aplicativo de TV para vídeos ‘em breve’

X, empresa anteriormente conhecida como Twitter, está lançando em breve um aplicativo de TV dedicado para vídeos enviados à rede social. CEO...

A Perplexity está levantando mais de US$ 250 milhões com uma avaliação de US$ 2,5 a US$ 3 bilhões para sua plataforma de pesquisa...

Perplexity, a inicialização do mecanismo de busca de IA, é uma propriedade em alta no momento. O TechCrunch descobriu que a empresa...

Google E-E-A-T: o que é isso?

No mundo digital, a confiança é fundamental. É por isso que o Google vem aprimorando seus critérios de pesquisa, priorizando conteúdos que demonstram...