Posts Recentes:

Acordo confidencial entre Google e Apple divulgado durante processo de antitruste


Google e Apple se veem envolvidas em uma revelação importante durante o julgamento de antitruste do Google.

Durante o prova de um perito em economia da Universidade de Chicago, Kevin Murphy, informações confidenciais sobre o harmonia entre as duas empresas foram divulgadas.

Segundo relatos, Murphy revelou que o Google repassa 36% de sua receita com anúncios de procura feitos através do navegador Safari, da Apple.

Essa revelação teria causado desconforto no jurisperito do Google presente no tribunal.

O harmonia entre Google e Apple sempre foi mantido em sigilo, com ambas as empresas se recusando a revelar os detalhes do contrato.

Tanto o Google quanto a Apple preferiram não comentar o prova de Murphy, e a Apple não respondeu aos pedidos de observação.

O julgamento de antitruste do Google começou em setembro, depois que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos processou a empresa, alegando que ela mantinha um monopólio ilícito no setor de procura.

O foco do julgamento está nos acordos de parceria do Google para ser o mecanismo de procura padrão em dispositivos, tornando-se um dos julgamentos mais significativos contra uma gigante da tecnologia desde os casos contra a Microsoft nos anos 90.

Embora já se soubesse que o Google pagou murado de US$ 18 bilhões para ser o mecanismo de procura padrão da Apple em 2021, essa revelação durante o julgamento trouxe à tona um paisagem do harmonia que permanecia incógnito.

No totalidade, o Google pagou US$ 26,3 bilhões a fabricantes de dispositivos, incluindo a Apple, por acordos para manter seu mecanismo de procura uma vez que padrão.

Últimas

Assine

spot_img

Veja Também

spot_img

Paul Graham afirma que Sam Altman não foi demitido da Y Combinator

Em um série de postagens no X na quinta-feira, Paul Graham, cofundador da aceleradora de startups Y Combinator, rejeitou as alegações de que...

A desinformação funciona, e um punhado de “supercompartilhadores” sociais enviou 80% dela em 2020

Dois estudos publicados quinta-feira na revista Science oferecem evidências não apenas de que a desinformação nas redes sociais muda as mentes, mas que...